A Evolução do Vídeo Wall

O vídeo wall (parede de vídeo) basicamente é composto por uma série de monitores sobrepostos formando assim uma grande tela que pode apresentar imagens individualizadas ou uma única em uma maior área de exibição. São utilizados em salas de controle e monitoramento (CCO/NOC), entregando conteúdos com maior nível de detalhes gráficos e ambientes de “Digital Signage” propiciando maior atenção e retenção da audiência.

A Origem:
Os video walls surgiram no começo dos anos 80, baseados em monitores CRT (tubo), tipicamente de 28 polegadas, resultando em um grande espaço entre as seções de imagem. Eram utilizados múltiplos Laser Disc Players, um para cada display e o conteúdo era preparado por uma produtora de vídeo, e cada Laser Disc tcuboinha uma parte da imagem correspondente a cada um dos monitores.

Cubos de Vídeo Wall
Os cubos de video wall (lançados em 1989) consistem em um sistema de projeção posterior de vídeo montado em uma estrutura em cubos. Os espaços entre as imagens tornaram-se invisíveis, o brilho e contraste foram aumentados, e os vídeo walls viabilizaram a apresentação de imagens gigantes. Esta solução existe na atualidade, mas baseada em tecnologias LCD, DLP ou ainda LPD (Laser Phosphor Displays), produzindo imagens com mais contraste e definição.

As aplicações de comando e controle cresceram no início dos anos 90, a capacidade gráfica tornou-se uma exigência crítica, surgiram então novos gerenciadores gráficos, capazes de administrar múltiplas entradas como vídeo composto, S-Video, vídeo componente, display-port, VGA, DVI, HDMI.

Métodos de Controle do Vídeo Wall:matrix
Matriz de ComutaçãoÉ um hardware dedicado com possibilidade de transcodificação entre diferentes entradas: vídeo composto, S-Video, Componente, VGA, DVI, HDMI e diversas saídas de video. A programação é feita por set-up direto no equipamento e/ou via serial.

Daisy-Chain” – Basicamente um “firmware” interno, nativo do monitor profissional, que permite o cascateamento via porta de vídeo entre eles proporcionando imagem única.

Gerenciador Gráfico PC – Para aplicações com 8 telas ou mais é composto por um PC Rack 19” industrial com altíssimo MTBF, fonte “hot-swap”, RAID e placas gráficas com software incluso. Em aplicações com 4 ou 6 telas um PC compactgerenciadorro pode ser utilizado.gerenciador

Sistema Distribuído Utiliza um PC compacto fixado atrás de cada tela, conectados por um sistema de comunicação comum, como uma rede local. Aplicativos instalados nestes PCs desempenhamdidtribuido as funções de geração, exibição e gerenciamento do vídeo wall. Também pode-se utilizar um PC industrial, chamado de OPS (Open Pluggable Specification) dentro do monitor profissional.

Formatos de Vídeo Wall:
Formato Mosaico/Assimétrico: Estes modelos de vídeo wall exigem uma gestão de conteúdo especial para transmitir a mensagem. Pode-se agrupar monitores de diferentes tamanhos lado a lado ou sobrepostos.

Formatos Convencionais: São os mais comuns aplicados na indústria ou em digital signage, formatos 2×2, 3×2, 3×3, 4×2, 4×3, 4×4, 5×2, 6×2, indicando o número de telas por coluna x linha.

Formatos “Portrait” e “Landscape”: A utilização de monitores em linha é uma excelente alternativa para aplicação em frontal de lojas, sendo a sua disposição de forma vertical ou horizontal, de acordo com o espaço.

mosaico

landscape

posted em 01-11-15